5
(1)

Llactapata é uma ruína inca localizada no oeste de Machu Picchu e essas são as únicas ruínas incas acessíveis encontradas na Trilha Salkantay. Você pode visitar um dia antes de chegar em Machu Picchu. De lá é possível ver a maravilha do mundo: Machu Picchu. Existem várias maneiras de fazer essa trilha. A mais bonita é pela trilha inca original que leva às ruínas incas de Llactapata. A caminhada começa em Lucmabamba, que fica a meio caminho entre La Playa Sahyayaco e Santa Teresa a 2km de Lucmabamba. Você irá subir até Llactapata, localizada a 2800m de altitude. Com uma distância de 7km, a subida dura aproximadamente 3 horas. No caminho, você passará por plantações de café, de coca, bananas, abacate e poderá ter vistas panorâmicas incríveis do vale de Santa Teresa. O melhor é que você passará por trilhas incas originais e bem preservadas, usadas para conectar Machu Picchu a Choquequirao. Depois de chegar no cume, você terá uma vista espetacular de Machu Picchu e da Montanha Huayna Picchu. Você pode até ver a Montanha Salkantay se o clima estiver favorável.

Expedição para Llactapata

A expedição teve um grande grupo de especialistas, além de exploradores. Hugh Thomson liderou a equipe de inspeção. Entrando no Templo Observatório de Llactapata, o incansável explorador Sr. Asheshov encontrou tudo coberto por vegetação. Perto de 32 km ao leste, atrás de Machu Picchu, fica a grande Verónica nevada, que os antigos incas batizaram de “Lágrimas de Ouro”, em quechua. O local esconderia tesouros secretos.

A expedição anglo-peruana descobriu um centro inca a quatro horas de Machu Picchu: o lugar que os incas escolheram para contemplar sua grandeza. Uma vista impressionante do Santuário Llactapata. A Trilha Inca o atravessa em toda a sua amplitude.

Encontrar uma cidade perdida não é fácil, mesmo que você já saiba sua localização. Uma dúzia de exploradores passou dois dias procurando na floresta nublada o que era conhecido como Llactapata. Em meio a espessa neblina, vimos Machu Picchu, a três quilômetros de distância em linha reta, a cerca de 400 metros abaixo.

A expedição tinha os equipamentos de posicionamento por satélite (GPS), cuja margem de erro é de apenas alguns metros. Pouco a pouco foram encontrando algumas paredes Inca promissoras com restos de nichos cerimoniais. O grupo de exploração havia percorrido a área em todas as direções e encontrado apenas pequenas pistas, incluindo uma estrutura com dois armazéns que parecia ser um templo. Foi então que um membro da equipe encontrou no meio da vegetação um portal com batente duplo para um cômodo, um sinal indiscutível de todas as importantes construções incas.

Em poucos dias dezenas de complexas construções incas foram descobertas, escondidas por 500 anos no meio da floresta. Naquela época, tinham a certeza de ter encontrado uma cidadela impressionante. Este era o lugar que Hiram Bingham também chamava de Llactapata. Bingham passou horas aqui em 1912, lutando com seus tropeiros e traçando a localização de algumas estruturas. Mas suas descobertas foram imprecisas.

Localização

Está localizado em uma pequena sequência de penhascos, perto do topo de uma ladeira íngreme que se eleva acima de Machu Picchu. A maioria das fotos que estamos acostumados a ver de Machu Picchu são tiradas de outra posição. Pouquíssimas pessoas nos tempos modernos viram Machu Picchu desta posição, de Llactapata, onde pode ser vista do sudoeste. Por exemplo, Huayna Picchu, a montanha que domina Machu Picchu na maioria das fotografias, é quase imperceptível vista pelo novo ângulo oferecido por Llactapata. É possível ver os turistas em Intihuatana e em Huayna Picchu.

Ruínas de Llactapata

Hiram Bingham redescobriu as ruínas de Llactapata em 1912, sobre Huaquina. Após sua descoberta elas foram devidamente estudadas e concluiu-se que essas estruturas eram um ponto de descanso no antigo caminho para Machu Picchu. As ruínas de Llactapata são formadas pelo centro cerimonial de Pulpituyoq, pelo setor urbano, pela área agrícola e pelo cemitério. Lá você também pode admirar um sistema imenso e complexo de plataformas ou terraços de cultivo, dedicado desde os tempos antigos ao cultivo de alimentos a mais de 2.800 metros de altitude. 

Quando os arqueólogos exploraram as ruínas de Llactapata, eles descobriram um templo solar e casas em uma área de vários quilômetros quadrados no mesmo alinhamento com o solstício de inverno assim como em Machu Picchu. Não é apenas a maneira como essas ruínas são estruturadas ou seu alinhamento astrológico que sugere uma conexão com Machu Picchu. Há também o fato de estarem a apenas quatro quilômetros da sede principal. As ruínas de Llactapata também estão conectadas ao caminho por um sistema de drenagem. Acredita-se que os terraços agrícolas do local ajudaram a atender às necessidades das pessoas que moravam em Machu Picchu.

Todas as estruturas tinham paredes triangulares, mas apenas algumas resistiram. O crescimento de raízes e árvores causou danos significativos. Duas estruturas em particular contêm paredes divisórias internas em ruínas. Algumas portas estão parcialmente fechadas e um muro de pedra foi construído e estendido de forma despadronizada. Os moradores locais podem ter acrescentado estas construções mais tarde, usando o local como um cômodo.

Uma entrada de porta dupla entre a primeira e a segunda construção indica um nível de importância elevado. Estas construções são encontradas somente nas estruturas mais importantes dos incas, como Coricancha em Cuzco, Vitcos, Ollantaytambo e Choquequirao (Gasparini Margolies, 1980).

Uma característica única é um corredor de 45 metros de comprimento com paredes de um metro e meio de altura, alinhado com Machu Picchu. O alinhamento de 65 graus também aponta ao amanhecer sobre Machu Picchu durante o solstício de inverno. Muitos mistérios continuam já que este local se manteve praticamente desconhecido nos últimos anos por causa de seu acesso relativamente difícil, exceto para os caminhantes da Trilha Salkantay.

Trilha Inca Llactapata

Os Incas fizeram centenas de trilhas na América do Sul. Llactapata é uma das restaurações mais recentes feitas pelo governo peruano. Um estudo de Thomson e Ziegler realizado em meados de 2003 concluiu que a localização de Llaqtapata ao longo da trilha inca sugeria que era uma importante parada para descanso e um santuário à beira do caminho para Machu Picchu. Esta e outras pesquisas revelaram um extenso complexo de estruturas e características relacionadas e conectadas a Machu Picchu pela continuação da Trilha Inca que leva a Vilcabamba. Llaqtapata pode ter sido parte da rede de locais administrativos e cerimoniais inter-relacionados que apoiavam o centro regional em Machu Picchu. Provavelmente desempenhou uma importante função astronômica durante os solstícios e equinócios.

Um novo caminho Inca: a Trilha Inca Llactapata foi projetada como um programa que pode levá-lo a Machu Picchu. Atende às necessidades dos turistas com pouco tempo em Cuzco. Ajudará muitas pessoas a fazer uma caminhada a pé e visitar o clássico destino de Machu Picchu. O passeio dura 3 dias apresentando dificuldade moderada.

Llactapata Machu Picchu

O complexo arqueológico de Llactapata está localizado imediatamente abaixo de uma longa cordilheira orogênica que desce desde o pico nevado de Salkantay, a montanha mais alta da região. Segue até o desfiladeiro de Urubamba, na direção norte. O complexo tem vista para Machu Picchu e para as duas montanhas de ambos os lados, a Machu Picchu Montain e a Montanha Huayna Picchu. Esta cordilheira paralela na qual toda Machu Picchu está localizada fica em torno de 5km a leste separando a cordilheira de Llactapata por um profundo vale de Aobamba. Neste vale o rio transporta as águas produzidas pelo derretimento das geleiras na região do pico nevado de Salkantay.

A Trilha Inca que inicia na linda ponte sobre o extremo oeste de Machu Picchu proporciona uma entrada cuidadosamente criada para Llactapata. Isso pode ter possibilitado que o Inca e seu séquito visitassem Llactapata em ocasiões especiais. Pode ter ocorrido para observar e comemorar a saída do sol no solstício de inverno e o nascer do sol das Plêiades aproximadamente doze a quinze dias antes do solstício.

Trilha Llactapata

Suba nas alturas do céu e desfrute de vistas majestosas que poucos seres humanos tiveram o privilégio de testemunhar. Apesar de estar dentro do campo de visão de Machu Picchu, a cidade perdida de Llactapata está na rota turística há apenas uma década, desde que foi descoberta em 2003 por arqueólogos usando fotografia aérea infravermelha.

De Llactapata você pode ver Machu Picchu e Huayna Picchu. Isso significa que daqui você tem uma vista para poucos com as montanhas sagradas dos incas.

Trilha Salkantay por Llactapata

A Trilha Salkantay por Llactapata é uma viagem que oferece uma combinação perfeita de caminhadas, cultura e natureza até chegar à cidadela de Machu Picchu. Esta excursão também é conhecida como a nova Trilha Inca. É uma das trilhas mais antigas que, em seu trajeto percorre por uma das montanhas mais altas do Peru, o nevado de Salkantay, adorada e respeitada pelos incas. 

Esta impressionante caminhada passa sobre a magnífica montanha Salkantay (6200m), uma das mais altas e mais impressionantes dos Andes peruanos. Normalmente, o passeio dura 5 dias. Os primeiros dois dias serão dominados pelo impressionante “Apus” de Salkantay e Huamantay, enquanto percorre a paisagem alta de Puna. No quarto dia descerá até a floresta quente e enevoada para chegar em Águas Calientes no quinto dia. A impressionante cidade sagrada inca de Machu Picchu é visitada durante o último dia do roteiro. Este passeio é uma alternativa interessante para quem não encontrou disponibilidade para a Trilha Inca para Machu Picchu.

A informação que você encontrou aqui te ajudou?

Ajude-nos com a sua qualificação.

Pontuação Media 5 / 5. Número de votações 1

Ainda não tem votações, quer ser o primeiro?

Pin It on Pinterest

Shares
Share This